domingo, 23 de outubro de 2016

Cartuxa tinto 2012

E eis que estou de volta a um clássico do Alentejo. Já falei mais do que uma vez qual é a razão de estarmos tanto tempo afastados deste tipo de vinho. O aparecimento de centenas de marcas por ano faz isso.
Estágio de doze meses em barricas de carvalho e mais nove meses em garrafa.
Feito com um blend de quatro castas, Aragonês, Alicante Bouschet, Alfrocheiro e Trincadeira.
Cor grená com alguns laivos acastanhados quando se roda o copo.
Na boca é um vinho com acidez, os taninos são delicados, parecem seda, ou seja perfeito!
No nariz, é o Aragonês que manda! Com aromas a frutos pretos, amoras. 
Com uma boa persistência final.
Clássicos são clássicos por alguma razão e este tem tudo para se manter assim.
Acompanhou na perfeição um arroz de pato feito pela minha mãe!


Sem comentários:

Enviar um comentário